fbpx
Para aumentar a produtividade da marcenaria não basta apenas investir em máquinas de corte ou furação. Máquinas são muito boas e podem dar alta produtividade e qualidade, se aliadas a um bom sistema de produção que integre os projetos 3D com a fabrica e faça o setup automatizado para todas as máquinas e áreas da marcenaria.
Então fica a pergunta: o que é setup automatizado para as máquinas?

Setup traduzido livremente do inglês quer dizer ”configuração”. Ou seja, o setup automático da máquina nada mais é do que gerar todas as configurações necessárias para a execução do trabalho, sem a dependência de uma programação manual ou tomada de decisão do operador no momento da produção. Assim, cabe ao operador a tarefa única de alimentar a máquina com peças ou matérias primas e executar a programação gerada pelo sistema.

A não utilização de um sistema que integre os projetos com a produção irá acarretar em uma subutilização do maquinário, pois, a marcenaria fica suscetível a programação manual de cada furação ou corte a ser realizado. Isso pode ser extremamente demorado e gerar muitos erros.

Clique na imagem para ver em tamanho maior
Clique na imagem para ver em tamanho maior
Como funcionam os comandos automatizados que o sistema faz?

Todo o processo começa com o desenvolvimento do ambiente dentro do sistema de projetos 3D, onde existe uma galeria com componentes dinâmicos e parametrizados que podem ser totalmente editáveis. Mesmo que sua empresa trabalhe apenas com projetos de arquitetos, você deve desenhar os ambientes dentro do sistema, pois, o ato de desenhar no 3D é também elaborar toda a engenharia de produção deste ambiente. Em termos mais simples, estamos colocando no projeto, além da visualização 3D, todas as informações produtivas que teriam que ser definidas pelo marceneiro no chão de fábrica.

Os componentes 3D são paramétricos e tem todas as suas regras construtivas definidas uma única vez pelo dono da marcenaria ou pelo marceneiro na implantação do sistema. Ou seja, apesar do projetista ser o responsável por definir como o móvel será construído, pelo design do ambiente, ele não necessita ter todo o conhecimento de um marceneiro já que todas as regras construtivas serão embutidas dentro dos componentes. Por exemplo, folgas de portas e frentes, descontos de gavetas, métodos de fixação, desconto de portas de correr, medidas de puxadores e trilhos de alumínio, quantidade de ferragens e mais, tudo já está inserido no desenho e não é de responsabilidade do projetista se preocupar com estas questões.

Após o desenvolvimento do projeto, chega o momento de orçar e apresentar o modelo elaborado ao cliente. Neste momento, todas as alterações feitas juntamente com o cliente, como cor, medidas, ferragens e etc, estão totalmente integradas com o setup de produção e são alteradas automaticamente. Junto a isso, está agregado o orçamento de todos os componentes e os custos de matéria prima para a produção.

Após definido todos materiais do projeto e ajustadas todas as medidas, chega o momento de enviar o pedido para produção. É nesse momento que toda a informação que está embutida no desenho 3D será transformada em lista de corte de peças, informações de quais peças devem ser coladas e refiladas, indicação de laminação das bordas, geração de todas as furações e códigos de barras para CNC e também informações de montagem. Ou seja, todo o setup automático. Todo esse trabalho é feito automaticamente pelo sistema, ficando de responsabilidade do projetista apenas enviar o projeto para a produção por meio do sistema online.

Depois de enviado o projeto para a produção qual a próxima etapa?

A próxima etapa é realizada por um responsável pelo planejamento da produção da marcenaria. Ele irá receber todas as informações de cada projeto enviado pelo projetista em um sistema que gera todas as ordens de produção. Este funcionário será responsável por dissipar as informações de produção para todos os setores da marcenaria:

  • Gerar planos de corte e enviar para serra ou seccionadora;
  • Imprimir etiquetas de identificação de cada peça, se a marcenaria não trabalha com seccionadora;
  • Imprimir lista de separação de ferragens, podendo escolher entre relatório sintético, apenas com as ferragens principais (dobradiças, corrediças, aramados, etc), ou relatório analítico com todas as ferragens, incluindo todos parafusos, tapa furos, sistemas de fixação, etc;
  • Imprimir relatório e etiquetas de todas as peças que devem ser coladas e refiladas;
  • Gerar relatório de todas os componentes que devem ser comprados de terceiros, como vidros, portas de alumínio…;
  • Imprimir relatório e etiquetas de todas os alumínios que serão cortados na marcenaria, como puxadores perfil gola, trilhos para porta deslizante, cabides…;
  • Gerar relatório de todas as peças que devem ser pintadas/laqueadas e, se necessário, imprimir etiquetas especiais para estas peças.
Clique na imagem para ver em tamanho maior
Clique na imagem para ver em tamanho maior
Como esses comandos são entendidos em cada máquina?

O sistema gera automaticamente as informações de produção para todos os projetos. Cada máquina tem um tipo de interpretação de informações e, para garantir que as informações serão entendidas, é feito um estudo de cada máquina da marcenaria e posteriormente uma integração para que, assim, seja possível gerar setup´s automáticos.

  • Para o corte, é gerado a lista de corte compatível com o otimizador que a marcenaria usa. Essa lista de peças é importada para dentro do otimizador e, a partir dela, todos os comandos de operação da seccionadora são gerados de forma simples.
  • Para a laminação são gerados informações e estas impressas na etiqueta que será colada na peça. Estas informações serão lidas pelo operador na operação da coladeira de borda;
  • Para o centro de usinagem ou de centro de furação, já configurado previamente (na implantação do sistema), são gerados automaticamente todos os comandos de setup, com apenas dois cliques. Estes programas gerados automaticamente são enviados para a máquina através de rede ou pendrive. Para execução das furações, basta o operador ler o código de barras impresso na etiqueta da peça e posicioná-la na máquina. Essa leitura pode ser feita manualmente, onde o operador digita o número na máquina ou por meio de leitor ótico de código de barras. Feito isso, máquina trabalhará sozinha para usinar e furar a peça.
Desta forma, como visto o investimento em máquinas é apenas um dos passos para o sucesso no aumento da produtividade. O mix máquinas, comunicação assertiva entre setores, processos claros com melhoria contínua apoiado por um plataforma de software integrada, garantirão o melhor retorno sobre o investimento.

Leia também:

Sobre a Gabster

Através de uma plataforma que integra designers, arquitetos e especificadores à indústria em geral, a Gabster conecta o design com a manufatura para simplificar a produção de ambientes personalizados.

Tecnologia, inovação e processos, fazem da Gabster uma solução única, que através de resultados concretos possibilita o crescimento escalar de seus clientes.

Veja os conteúdos da Gabster em vídeo no Youtube.

MAIS CONTEÚDO PARA VOCÊ